Análise de Dados

O que é um funil de marketing?

Você já ouviu falar em funil de marketing? Saiba que ele é uma tradicional representação imaginária do caminho que o cliente percorre para chegar até a decisão de compra. O funil de marketing é uma evolução do funil tradicional, pois, quando falamos de vendas inbound, as ações de marketing vão além da propaganda e da […]

Bullseye: uma forma simples de iniciar um plano de marketing digital

Diante de tantas ferramentas e canais de Marketing Digital, facilmente podemos nos perder na hora de começar um planejamento ou um plano de Marketing Digital. Se você já se perguntou “Por onde começar?”, continue a leitura. Hoje apresentaremos um método (framework) de trabalho muito utilizado por empresas que tem o Growth Hacking em seu DNA. Conheçam […]

O que o seu comportamento de navegação pode ensinar sobre marketing digital

Uma das principais etapas para uma boa atuação na internet é o planejamento de Marketing Digital, que na maioria das vezes é bem trabalhoso e complicado. Porém, existe uma forma bem simples de descomplicar esse processo. Basta analisar o seu próprio comportamento de navegação na internet e conectá-lo com a necessidade em questão. Você provavelmente […]

Entenda como usar as métricas no Marketing Digital

As empresas investem em marketing digital por acreditarem que essa estratégia dará mais retorno que outras estratégias. Em muitos casos elas estão certas, pois o ambiente digital quando bem trabalhado pode alavancar absurdamente negócios ao sucesso. Provavelmente uma dessas perguntas está martelando a sua cabeça agora: O que podemos fazer para garantir esse sucesso? Como saber […]

Como montar um mix de Marketing Digital

Já ouviu falar alguma vez nos famosos 4Ps do Marketing? Produto, Praça, Preço e Promoção são os componentes do tradicional composto de Marketing. E por isso foram adaptados para a realidade do online. 

Quer saber como montar um mix de Marketing Digital usando esses 4 conceitos básicos na prática? Então fica ligado neste post porque você vai aprender o passo a passo de forma simples e prática. Confere só!

O que é mix de Marketing

Também conhecido como Composto de Marketing, o modelo mais popular foi criado por Jerome McCarthy, na década 60, e até hoje é aplicado. 

Mas, precisou ser atualizado para poder continuar norteando um eficaz plano de Marketing Digital, em pleno século XXI, embora a base não tenha mudado tanto. 

Hoje em dia é possível encontrar diferentes modelos de mix de marketing como os do 7Ps e 8Ps. 

Porém, o fato é que independente do composto de marketing que sua empresa vai adotar, o mais importante é ele estar bem estruturado. Isso porque assim será possível obter sucesso com ele.  

Modelo 4Ps

  • Produto: reúne pontos básicos como elaboração de política de garantia, identidade visual única, análise da concorrência e até mesmo ações para fortalecimento da marca. E tudo precisa ser fundamentado em dados de mercado.  
  • Preço: são as formas de pagamento, parcelamentos, além de descontos e prazos. Ou seja, as principais vantagens que o consumidor terá na transação ao adquirir seu produto ou serviço.
  • Praça: são os pontos de venda como loja virtual, loja física, marketplace, call center, etc. E inclui ainda toda a gestão de logística, distribuição e armazenamento.
  • Promoção: são as maneiras que o produto ou serviço será promovido. Portanto engloba tradicionalmente Publicidade e Propaganda, Trade Marketing e Relações Públicas. Mas, hoje em dia com as novas tecnologias e o Marketing Digital, esse P inclui até Redes Sociais.  

Modelo 7Ps

Adicionou aos tradicionais 4 Ps (produto, preço, praça e promoção) mais 3 Ps importantes: 

  • Physical Evidence: traduzido como evidências físicas, engloba desde a identidade visual consistente ao bom atendimento. Do site com boa navegabilidade e design até o ambiente físico da empresa ( ex: imóvel que expressa a cultura organizacional, equipamentos que refletem a modernidade da marca, etc,).
  • People: a humanização do Marketing é algo cada vez mais praticado e esse P tem tudo a ver com isso. Isso porque é sobre pessoas da empresa. Quem são os colaboradores e quais suas habilidades e/ou expertises que podem ajudar os consumidores. 
  • Partner: a gestão de parcerias por meio de um bom relacionamento com os fornecedores e a constante busca por novas parcerias estratégica são os principais exemplos desse P. 

Modelo 8Ps

Assim como os 7Ps, o modelo de mix de marketing com 8Ps mantém os 4Ps básicos (produto, preço, praça e promoção).Porém, inclui mais 4 Ps:

  • Pessoas: os colaboradores que são as pessoas da empresa (capital humano).
  • Processo: relacionado ao P de produto, é sobre os procedimentos realizados para uma produção efetiva. Ou seja, metodologias usadas pela empresa e fluxos que resultam em melhor experiência do usuário.  
  • Posicionamento: engloba o Physical Evidence do modelo 7Ps (identidade visual da marca, ambiente físico, site, bom atendimento, etc.) e associa à estratégia de posicionamento no mercado ( produtos baratos produzidos em larga escala? Ou produtos diferenciados com valor agregado e preço mais alto? Além de as atitudes para se aproximar do target, etc.  
  • Performance: é como a empresa mensura qualidade e produtividade por meio de KPIs e métricas. Ou seja, serve para garantir o sucesso da marca com base em metas e objetivos que são acompanhados e avaliados. Serve para entender como ocorre o sucesso do seu produto no mercado (as vendas foram por causa de uma promoção ou as pessoas enxergam valor agregado? )  

Como montar um mix de marketing digital: confira o passo a passo 

Como você pode perceber, em todos os modelos de composto de marketing. os 4 Ps tradicionais estavam lá. Então iremos focar neles. Confira como fazer na prática:

Produto

É o que sua empresa vai entregar para o cliente em forma de mercadoria ou serviço. Portanto para lançar um bom produto, é preciso ter definido bem claramente como ele vai melhorar a vida do seu público-alvo. 

Além de características mais detalhadas como design, nome, modo de usar e até mesmo o conceito dele. Então antes da produção do protótipo, é necessário responder algumas perguntas como:

  • Para quem é o produto? 
  • Quais buyer personas ele atende?
  • Como o produto resolve a dor da persona? Como isso acontece?
  • O que faz de diferente da concorrência?
  • Como é o produto (branding, visual)?

Preço

Mais do que a definição do valor monetário que seu serviço ou produto é comercializado no mercado, o preço no mix de marketing também tem a ver com o custo de produção, definição do preço da mercadoria, políticas de descontos e parcelamentos.

E até mesmo valor agregado e poder da marca ( ex: pode cobrar mais porque a marca é associada a status? Ou  ela é conhecida por seus preços baixos?). Então antes de estruturar esse P, a dica é responder algumas perguntas básicas como:

  • Qual é o custo de produção do produto?
  • O quão importante é o aspecto financeiro para seu perfil de cliente? 
  • A persona olha mais para preço baixo ou valor agregado?
  • Qual é o preço praticado pelos líderes de mercado do seu nicho? Como é o seu preço em comparação a eles? 
  • Qual é o preço praticado pela concorrência direta? Como é o seu preço em comparação a eles?
  • Qual seria o menor valor viável para a venda do produto? ( importante saber para quando for montar preços promocionais)
  • Qual seria o maior valor aceitável pelo mercado (a dica é utilizar pesquisas de Marketing para entender qual é o valor justo de compra para o consumidor) 
  •  Qual é o valor, que mesmo acima do preço da concorrência, seu target pagaria por seu produto?

Praça

É o local em que o cliente encontra o produto para venda. Em vendas presenciais, a praça pode ser uma loja física, um stand em shopping, entre outros. Já em vendas online, pode ser a loja virtual, o marketing place do Facebook ou Mercado Livre e similares ou até mesmo o site da marca.

Além disso, o P de Praça também envolve gestão de estoque, logística e abastecimento de pontos de vendas, entre outros. Para fluir bem, na hora de estruturar essa parte do mix de marketing é indispensável ter alguns pontos em mente como:  

  • Onde sua persona está? Onde ela costuma pesquisar o produto?
  • Como você vai vender o produto?: via e-commerce ou marketplace? Vai usar gateway de pagamento ou a venda será manual?
  • Quais são seus canais de distribuição?: ex: quais canais de Marketing Digital você pode contar?
  • Como os concorrentes vendem o produto deles?
  • Quais canais os concorrentes usam?

Promoção

É a forma de promover seus produtos ou serviços. No Marketing Tradicional, esse P é composto por eventos, publicidade, relações públicas, etc. Já no Mix de Marketing Digital, pode incluir social medias, buscadores (SEO), campanhas de e-mail marketing, entre outros planejamentos para canais digitais.

Dessa forma a jornada do cliente e o funil de Marketing tendo como foco o comportamento das personas do seu negócio costumam nortear a Promoção em um composto de marketing online. Confira algumas respostas necessárias para estruturar bem esse P: 

  • Quais canais serão usados para atrair novos usuários?
  • Quais canais serão usados para converter usuários em leads?
  • Quais canais serão usados para converter leads em possíveis clientes?
  • Quais canais  serão usados para converter possíveis clientes em clientes?
  • De que forma a concorrência se comporta em relação a jornada do cliente? E funil de Marketing / Venda?
  • Qual o período ideal para promover o produto?
  •  Existe sazonalidade? Ou não?

6 dicas para colocar o mix de marketing digital em prática na sua empresa

Analise seu nicho de mercado

O primeiro passo é entender o cenário como um todo. Quais os pontos fracos e fortes do seu segmento atualmente e os da sua empresa e também da concorrência.

Para isso, é preciso pesquisar bastante e analisar o resultado do que tem sido feito por você, pelo concorrente e também o comportamento dos consumidores (receberam bem o novo produto?; fizeram críticas ou elogiaram?, etc.). 

Olho vivo na concorrência

  • Quais os produtos ou serviços estrelas dos seus principais concorrentes?
  • E os lançamentos? Como foram realizados e recebidos pelo público-alvo? 
  • Quais ações de Marketing Digital eles estão realizando atualmente?
  • Estão trazendo bons resultados para o concorrente?
  • Como sua empresa poderia fazer ainda melhor?
  • Como a estratégia do concorrente pode trazer insights para seu negócio?

Determine perfis de clientes ideais para sua empresa

Antes de desenvolver um mix de Marketing Digital, é necessário entender muito seu target. O  que engloba clientes atuais e possíveis consumidores. 

Com base em pesquisas com dados reais sobre a realidade da sua empresa, é possível traçar os clientes ideais. Ou seja, as personas para quem você irá desenvolver o produto e se comunicar para vendê-lo ou gerar mais leads.  

Crie buyer personas 

Para construir as personas de Marketing Digital, é necessário humanizar dados de seus clientes reais e prospects para criar segmentações que permitam ações de Marketing e Comunicação mais efetivas.

Então, por exemplo, se seu público-alvo é mulheres de 25 a 70 anos, donas de casa de classe média, você terá que criar diferentes personas para poder personalizar a comunicação e o relacionamento. Ou seja, obter melhores resultados usando a segmentação ao seu favor. 

Dentro do target citado acima, por meio de pesquisas de persona, é possível construir algumas distintas como: 

  • Dona Maria, 65 anos, aposentada. É vaidosa. Adora comprar cosméticos e o salão de beleza é mais do que um lugar para se cuidar, é como uma visita a amigas. 
  • Fernanda, 38 anos. Não é muito fã de salão de beleza e centros de estética, mas costuma frequentar, uma vez por semana, porque precisa manter uma boa aparência principalmente por questões profissionais. Gosta de ser atendida pontualmente porque não tem tempo a perder. 
  • Jéssica, 15 anos. Sempre vai com a mãe ao salão de beleza e centros de estética porque acha divertido o programa em si e também porque adora rituais de beleza e se sentir mais bonita com eles. E por aí vai…

Uma ótima dica para facilitar a construção de personas, é baixar o Kit Persona Marketagem que está disponível na nossa Página de Materiais Gratuitos. Nele você encontra as principais perguntas para criar personas e muito mais.  

Defina um objetivo claro para nortear o composto de Marketing

O que sua empresa quer alcançar exatamente com o investimento no mix de marketing digital? 

Aumentar as vendas online, por exemplo, é o principal resultado que os e-commerces querem atingir. 

Mas, pode não ser o foco de empresas que oferecem serviços e usam estratégias de Inbound Marketing para criar ações de acordo com cada etapa da jornada do cliente. E assim realizar vendas na hora certa.   

Nesse caso, o crescimento a base de contatos (leads) para o setor de vendas entrar em ação, no fundo do funil, costuma ser o principal objetivo de Marketing Digital. Mas, até chegar nesse ponto, várias conversões precisaram ocorrer antes. 

Portanto para o composto de marketing trazer bons resultados, a dica é entender qual resultado seu negócio pretende. Dessa forma é possível nortear a estratégia e as ações  de maneira mais assertiva.

Trace uma estratégia de Marketing Digital 

Para isso, é necessário analisar dados do seu negócio, da concorrência e do público-alvo. Dessa forma você entende melhor as necessidades do seu target e descobre como anda seu nicho de mercado.  O que permite traçar a estratégia mais assertiva que precisa estar documentada em um plano de Marketing Digital.

Vale lembrar que para saber se ela está realmente dando certo, é indispensável que você estabeleça KPIs e métricas para acompanhar as ações que serão desenvolvidas em cada P do mix de marketing. 

Além disso, é preciso também destinar budget para cada um. E planejar como alocar os recursos em cada canal de Marketing Digital e nas diferentes ações. 

Principais canais de Marketing Digital

Integrantes do P Promoção do mix de marketing no digital, esses canais equivalem aos tradicionais TV, eventos, publicidade, etc. E podem complementá-los se sua estratégia incluir canais offline. O que é mais comum ocorrer em empresas grandes que têm budgets altos para Marketing. 

Portanto as ações nos diferentes canais digitais precisam estar bem alinhadas entre si. E elas servem principalmente para promover seu produto, serviço ou marca trazendo pessoas para sua praça (que pode ser loja virtual, site institucional, etc.)  

  • Social Medias: são as ações coordenadas de marketing realizadas em redes sociais como Facebook, Instagram, LinkedIn etc. E precisam estar planejadas com base em metas e no objetivo. 
  • E-mail: são as campanhas de Marketing Digital realizadas via correio eletrônico seja para vender diretamente por meio de cartas de vendas online e anúncios (Outbound Marketing) ou apenas para estreitar relacionamento com os leads como uma preparação para vendas Inbound futuras. 
  • Busca orgânica: engloba as estratégia de SEO porque são as ações de Marketing Digital para buscadores com foco em aumentar tráfego orgânico e awareness (consciência da marca). Ou seja, que vem da parte orgânica das páginas de resultados de pesquisa (SERP) do Google, Bing, etc. 
  • Mídia Paga: diz respeito aos links patrocinados nos motores de busca, redes sociais, e-mails, etc. O foco é aumentar tráfego pago e o conhecimento de ofertas da sua marca .  
  • Referral Traffic: é o canal de Marketing Digital que está relacionado às ações de Link Building porque utiliza backlinks em sites de terceiros para aumentar o tráfego e ampliar a consciência da marca ou informar sobre produtos ou serviços.
  • Tráfego direto: é quando o internauta digita o site da sua empresa direto na barra de navegação. Ou seja, requer um conhecimento prévio da sua marca, produtos ou serviços para isso. 

Faça plano de Marketing Digital para cada canal, mas com total alinhamento entre eles

Depois que você traçou a estratégia mais assertiva de acordo com o objetivo que sua empresa pretende alcançar, é hora de planejar ações coordenadas para atingir metas. Por isso uma dica importante para o mix de Marketing Digital trazer resultados é ter foco e planejamento.

Portanto uma campanha no Instagram, por exemplo, precisa ser planejada para aumentar o engajamento e fortalecer a marca. Com o intuito de aumentar o tráfego para o site e assim crescer o número de conversões e leads nele. Caso o objetivo do Marketing Digital seja aumentar a quantidade de leads. 

Isso porque toda meta de cada canal precisa encaixar uma na outra para formar o objetivo desejado pela empresa. 

Metas e ações dos 4Ps do mix de marketing precisam estar alinhadas

O foco no mesmo objetivo deve ocorrer também em cada um dos 4 Ps do mix de marketing. E para isso, é necessário o alinhamento total na estratégia de Marketing Digital. Para entender melhor na prática, confira o exemplo abaixo:  

Imagine uma pizzaria na Black Friday. A pizza napolitana (produto) está 60% OFF (preço) em todas as unidades da rede (praça). Essa mesma informação precisa estar anunciada no Facebook e igualmente em  todas as redes sociais (promoção) e nos canais offline (se houver).

Dessa forma o mix de marketing está alinhado e a comunicação consistente. O que evita, por exemplo, que alguém chegue na pizzaria e reclame que viu no Instagram 50% OFF, mas no outdoor era 70%. E assim você tenha um desgaste com o cliente e precise dar o desconto maior por puro desalinho nas ações de marketing.

Conclusão

O mix de Marketing Digital é indispensável para atingir bons resultados. Basta ter um objetivo claro e conseguir alinhar produto, praça, preço e promoção em uma mesma estratégia. E esse mesmo alinhamento precisa se estender aos canais online e offline da empresa.

Mas, o primeiro passo para usar o composto de Marketing ao seu favor é analisar o mercado, conhecer seu público-alvo e estudar a concorrência. E, claro, depois montar uma estratégia eficaz embasada em dados. E documentá-la em um plano de Marketing Digital assertivo e consistente.

Vale lembrar que, independente do modelo de composto de marketing você escolher, vai funcionar bem se você o estruturá-lo de maneira eficaz.

Quer aprender mais sobre Marketing Digital? Então acompanhe o blog Marketagem e assine nossa newsletter para receber nossas novidades por e-mail (posts, vídeos, entre outros). 

O que são canais de Marketing Digital?

Canais (de Marketing, Marketing Digital ou Venda) são os meios utilizados para alcançar, se relacionar e adquirir clientes. Por mais que seja uma definição geral, ela passa de uma forma bem simples o conceito e sua importância, seja ele um canal de venda ou marketing. Para tudo ficar mais claro ainda, vamos exemplificar quando eles […]

Como usar pesquisas de marketing para melhorar seu negócio

Empreendedorismo e risco andam de mãos dadas. Mas, é possível arriscar o mínimo possível em muitas áreas do seu negócio. Basta adotar algumas medidas como

Como utilizar OKRs e Scrum para aumentar a produtividade

Agilidade nos processos, maior qualidade dos produtos ou serviços e com o máximo possível de produtividade na gestão de projetos são as marcas registradas das empresas de tecnologia do Vale do Silício, entre muitas outras, que adotam metodologias de gerenciamento diferentes das tradicionais como OKRs e Scrum.

Neste post, você vai entender um pouco mais sobre cada método e como eles podem beneficiar sua empresa, tendo como exemplo os benefícios que eles nos causaram.

O que são OKRs?

Sigla do inglês Objectives and Key Results, OKRs é o nome de uma metodologia de gestão de projetos muito eficaz que permite definir objetivos claros que serão realizados através de metas colaborativas que serão mensuradas regularmente por indicadores-chave de performance (KPIs) . 

  • Objetivos: são realizações futuras planejadas pela empresa. Os objetivos devem ser comunicados às equipes de forma sucinta, clara e direta. Além de motivar resultados (que são sempre possíveis). Aqui no Marketagem, por exemplo, um dos objetivos é ser referência na formação de profissionais de Marketing Digital. Esse objetivo fica bem visível para todos e junto com ele ficam os key results para chegar lá. 
  • Resultados-chaves: são as metas para transformar objetivo em realidade. Elas precisam ser claras, diretas, viáveis e terem prazo. Aqui no Marketagem, por exemplo, um dos OKRs é publicar 1 conteúdo novo no blog 1 vez por semana (que é um dos resultados-chave do objetivo ser referência).  
  • KPIs: sigla de Key Performance Indicator que significa em português indicadores-chave de performance. Ou seja, poucas métricas indispensáveis para avaliar como o que realmente importa está performando. Então os KPIs variam de acordo com os objetivos e resultados-chave e servem para manter o foco na hora de mensurar. 

Ciclo dos OKRs

  • Objetivos táticos: 3 meses. Como são objetivos ligados ao operacional devem ser mais rápidos de serem atingidos pelas equipes. 
  • Objetivos estratégicos: 1 ano. São aqueles mais complexos (estabelecidos por CEOs ou diretoria) que foram quebrados em vários táticos para serem executados com metas viáveis de serem atingidas. Por isso o ciclo é mais longo. 

Características da metodologia OKR

  • Foco nas prioridades e comprometimento
  • Trabalho em equipe mais integrado por ser totalmente alinhado com os objetivos-chave definidos
  • Setores completamente conectados entre si e com os objetivos estratégicos (estabelecidos por partes nos OKRs)
  • Monitoramento constante da evolução de cada meta (as que não começarem a gerar resultado no prazo de uma ou duas semanas podem ser corrigidas antes de finalizar o ciclo)
  • Motivação (OKRs são capazes de fazer as pessoas se superarem e ainda motivam o trabalho em equipe) 
  • Mensuração por KPIs 
  • Permite rastrear responsabilidades 
  • Gestão colaborativa
  • Aumento na produtividade

O Google e os OKRs

Embora seja usado por inúmeras empresas modernas, os OKRs ficaram mundialmente famosos principalmente com o exemplo do Google, que os adota desde 1999, graças a John Doerr (que até lançou o livro ‘Avalie o que importa’ sobre o poder da metodologia em 2019). 

O crescimento expressivo do Google nas últimas décadas é fruto de diversos fatores. 

Mas, sem uma gestão eficaz com objetivos bem definidos de forma clara e a avaliação contínua de resultados-chave de toda a equipe, isso não seria viável. 

Então sem OKRs, isso  poderia até acontecer, mas demoraria muito mais. 

Só para você ter uma ideia, o maior buscador do mundo tem mais de 85 mil colaboradores (dados mais recentes de 2018). 

Mas, há 20 anos quando começou a implantar os OKRs, ainda era uma empresa com menos de 50 pessoas. 

Apesar de o Google ter virado referência no assunto, a verdade é que quem criou mesmo os OKRs foi Andy Grove. 

O que ocorreu, nos anos 70, quando ele liderava a operação da Intel. 

Como Doerr conta em seu best-seller, o sistema de gestão por objetivos e resultados-chave tem como base o princípio da Administração por Objetivos e Autocontrole (Peter Drucker – anos 50).  

Definição de OKRs

Umas das melhores definições são as de John Doerr que foi responsável pela implementação de OKRs no Google: “é um protocolo colaborativo de definição de metas para empresas, equipes e indivíduos.” Ou então: “uma metodologia de gestão que ajuda a garantir que a empresa concentre esforços nas mesmas questões importantes em toda organização”. 

O que é Scrum?

Indispensável para gestão de projetos de alta performance, o Scrum permite entregas contínuas e de valor aos clientes devido a maior agilidade nos processos. 

Inicialmente essa metodologia era apenas um framework para desenvolvimento de softwares extremamente ágil. 

Mas, com o passar dos anos, empresas dos mais variados segmentos e diferentes portes descobriram que o Scrum poderia aumentar a produtividade delas também.   

O que significa Scrum? Bom, essa palavra pequena e forte saiu direto do campo de rugby. 

É o nome da formação em que os jogadores se unem fazendo um bloco e assim conseguem ir avançando no campo rumo ao objetivo (fazer conversões, por exemplo, que é uma das formas de pontuar). 

Já no mundo empresarial, o Scrum é a metodologia ágil que permite cada colaborador usar suas competências, de forma integrada ao resto das equipes, para assim alcançar os objetivos em comum

Como funciona o Scrum na gestão de projetos 

Toda a metodologia conta com a colaboração do Product Owner (cliente) que participa informando o que é prioritário (features) ao Scrum Master (quem está à frente do Time Scrum que é formado pelas equipes de trabalho). 

Ele é responsável ainda por orientar todos os integrantes a realizarem as melhores práticas para agilizar o projeto e assim fazerem entregas contínuas de valor ao Product Owner. 

  • Sprint: também importada da gestão de projetos em programação, a palavra em inglês significa arrancada. Ou seja, é o ponto de partida dos projetos que se repete a cada mês ou 15 dias (dependendo do ciclo definido pela empresa).
  • Product Backlog: reúne os features (prioridades definidas pelo Product Owner naquele Sprint). Cabe ao Scrum Master criar tarefas para o Time Scrum no Sprint Backlog a partir deles. O que é fundamental para as entregas de valor contínuas.
  • Sprint Backlog: é uma lista de tarefas com base nas prioridades do Product Owner que devem ser executadas por cada integrante do Time Scrum em um prazo determinado. Cada Sprint tem o ciclo de até 4 semanas então as atividades precisam ser delegadas com prazos que permitam todos os colaboradores as executarem até o fim do Sprint.  

Características do Scrum

  • Maior agilidade na gestão de projetos
  • Entregas de valor contínuas ao cliente (o que agrega encantamento e satisfação)
  • Reduz consideravelmente os impactos dos gargalos na produção e ajuda a preveni-los
  • Sprints com duração de no máximo 1 mês
  • Serviços ou produtos com mais qualidade
  • Gestão de projetos com menos riscos
  • Facilita analisar o progresso do projeto como um todo 
  • Empresa mais proativa
  • Aumento da produtividade 

Por que Scrum e OKRs podem ajudar na produtividade

Embora com formas diferentes de execução, Scrum e OKR têm o mesmo objetivo: garantir entregas de valor ao cliente por meio de uma gestão de projetos mais ágil  com trabalho em equipe mais efetivo. 

O que pode ser potencializado com a associação das duas metodologias. 

Vale lembrar que o Scrum trabalha com as prioridades do Product Owner, mas não inclui a definição de metas claras para o time. 

Portanto a implementação de OKRs pode complementá-lo agregando ainda mais entregas de valor ágeis e contínuas. E ainda motivando o time. 

Como isso nos ajudou a elevar nossa produtividade

A primeira coisa que fizemos foi parar um tempo para definir uma estrutura base para o nosso quadro de OKRs. Os nossos 04 grandes objetivos para o ano foram:

  1. Ser referência em Marketing Digital em Niterói
  2. Ser parceiro de instituições de ensino do Rio de Janeiro
  3. Impactar a vida profissional das pessoas
  4. Ser referência em formação de profissionais em Marketing Digital

Você possivelmente deve estar pensando: “Nossa, esses objetivos são muito abertos”. Mas é aí que você se engana. Esses 4 objetivos são justamente o foco de tudo que faremos em 2019 (até que vejamos que algum OKR foi mal pensado ou seja alterado por outro).

Dentro de cada uma dessas caixas, quebramos os objetivos em várias metas, sendo umas mais fáceis e outras bastante ousadas.

Os OKRs geralmente são pensados para extrair o máximo de produtividade e criatividade da equipe, através de autonomia e identificação com os objetivos pensados.

Tendo essas metas claras, partimos para a gestão e execução delas. Aqui utilizamos o Trello para monitorar e reportar qualquer tipo de coisa relacionada aos projetos em andamento e os projetos em fase de ideação.

Com o Trello organizado, temos uma visão muito clara de tudo que está em andamento, de quem depende, além de ter uma comunicação rápida e eficiente entre a nossa equipe.

E foi dessa forma que unimos os OKRs (formas como estruturamos nossos objetivos) ao Scrum (forma como executamos).

Conclusão

OKRs e Scrum são metodologias ágeis que vem revolucionando a gestão de projetos nas empresas nas últimas décadas. 

Com eficácia comprovada por grandes empresas como o Google, os dois métodos são indispensáveis para aumentar a produtividade elevando também a qualidade e agregando mais valor às entregas. 

A empresa que você trabalha já implementou SCRUM ou OKRs? Conte para a gente como as duas metodologias ágeis fizeram a diferença na gestão de projetos.

Victor Baptista

Fundador do Marketagem

Como usar o Google Analytics para investir em Marketing Digital

Como distribuir o budget entre os canais de Marketing Digital da melhor maneira possível? 

Quer saber como fazer? Acompanhe nosso post até o final porque você vai entender o que precisa ser configurado e avaliado no Google Analytics para investir na medida certa em cada canal. Ou então assista o vídeo abaixo para aprender como investir em Marketing Digital usando o Google Analytics. 

Definir objetivos é o primeiro passo

Quando uma empresa realiza o planejamento de Marketing Digital, ela toma como base os objetivos do setor (que de preferência devem estar alinhados aos do negócio).

A partir daí, esses objetivos devem ser quebrados em metas que se tornarão tarefas e serão organizadas em um cronograma para entrarem na fila de execução.

Aqui no Marketagem, por exemplo, usamos o Trello. Mas, assim como as metodologias ágeis variam de empresa para empresa, a forma de montar o cronograma de tarefas e gerenciar o tempo também pode mudar.  

Só depois disso tudo é que o Google Analytics (GA) entra no processo para garantir a mensuração. Dessa forma os gestores e/ou outros profissionais responsáveis conseguem analisar a performance de cada canal de marketing da empresa. 

Metas e objetivos não são sinônimos

Aumentar vendas é um exemplo de objetivo (ou seja, está ligado à estratégia) enquanto aumentar vendas em 30% em 4 meses já seria uma meta (que tem a ver com táticas).

Como transformar objetivo em metas no GA? No vídeo abaixo, eu explico os tipos de metas que podem ser configuradas na ferramenta de análise do Google e como funciona essa parte do planejamento de Marketing Digital.

A importância de configurar as metas no Google Analytics 

Após determinar seu objetivo, é hora de cadastrar as metas desejadas na ferramenta. Isso porque são elas que vão indicar quando as atividades configuradas foram concluídas pelo internauta em seu site. 

Então ao configurar metas no GA, você permite que a ferramenta gere métricas importantes como Taxa de Conversão e Conversão (quantidade de metas atingidas) para serem analisadas. 

E com base nelas, você consegue identificar a contribuição de cada uma para os objetivos do negócio (o que é indispensável para todos os tipos de empresas principalmente para as totalmente online como uma loja virtual).

O que é a conversão no Google Analytics?

Conversão: o que é essa métrica do GA

Vale destacar que no Google Analytics, meta atingida é sinônimo de conversão. Ou seja, converter não se limita apenas a quantidade de vendas realizadas no seu site. Pode ser também: 

  • Assinar uma newsletter
  • Baixar um e-book
  • Envio de formulário preenchido
  • Transação realizada no site
  • Dar play em um vídeo

Tipos de metas que podem ser configuradas no GA 

  • Metas de destino: é aquela que você configura para cada vez que alguém chegar a uma página de agradecimento no seu site ser considerado uma conversão). Então por exemplo: assim que se você envia o formulário preenchido para receber a newsletter Marketagem por e-mail é direcionado para nossa página de Obrigado. 
  • Metas de duração da sessão: é aquela que você configura no GA um determinado tempo de navegação em seu site. Então, por exemplo, se você configurou maior que 3 minutos navegando nas páginas, a cada pessoa que ficar 4 minutos ativa, passando de página em página, é considerada uma conversão pela ferramenta. 
  • Página por sessão: é quando você configura no Google Analytics a quantidade de páginas que um usuário precisa acessar em uma sessão no seu site. Ex: o usuário entrou em 4 páginas em uma mesma visita ao seu blog. Se você configurou no GA, maior do que 3 páginas, essa conversão foi realizada.    
  • Meta de evento: é quando você cria um parâmetro para alguma ação do usuário na sua página. Ex: é possível configurar rolagem completa. Então  cada vez que uma pessoa scrollar até o fim da sua página foi obtida essa conversão. Para configurar isso no GA, é preciso criar também tags na ferramenta Tag Manager do Google. 
  • Metas inteligentes: não está disponível para todas as contas de Google Analytics. Mas, quem tem acesso a elas, pode criar metas personalizadas com o nome desejado.
Google Analytics, me ajuda?

Como o GA revela onde investir em Marketing Digital

Analisar o funil multicanal ajuda bastante a descobrir em quais deles você deve investir mais e menos. Isso porque esse recurso do Google Analytics mostra todo o caminho percorrido em suas páginas pela pessoa até a compra como:

  • Quantidade de visitas no seu site
  • Quantidade de metas do GA que foram realizadas antes de efetivar a compra
  • Quantidade de transações feitas desde que virou cliente 

Por exemplo: um consumidor pode ter conhecido sua loja virtual ao pesquisar algo no Google e o blog da sua marca ter respondido. E a partir daí, essa pessoa começou a jornada do cliente. Leu posts, converteu várias vezes (baixando e-books, participando de lives, etc.) até que finalmente realizou a compra. 

Em casos assim, os dados da ferramenta do Google vão indicar alta em métricas de conversão. O que vai fazer você concluir que vale a pena investir em SEO e em Inbound Marketing.

E possivelmente você irá planejar um aumento do budget para os dois no próximo quarter. E com o aumento do investimento em otimização para buscadores, você poderá reduzir um pouco o custo com Publicidade Online (Ads).   

Uma outra forma de chegar a dados que irão ajudar é comparar segmentos de usuários (ex: comparar usuários que chegaram ao site através do orgânico e converteram VS usuários que chegaram ao site através do orgânico e converteram).

Conclusão

Configurar metas no GA permite que métricas de conversão possam ser analisadas na ferramenta. Além disso, os funis multicanais do Google Analytics mostram como cada canal de Marketing Digital contribui para os resultados da sua empresa. 

Para você conseguir direcionar seus investimentos em Marketing Digital, da melhor maneira possível, é só analisar esses dados periodicamente. 

Mas, lembre-se: as decisões de aumentar e diminuir os budgets de cada canal precisam ser tomadas levando em conta também o objetivo do negócio e as estratégias adotadas. 

Quer entender mais sobre análise de dados? Continue acompanhando o blog Marketagem. Aproveite e assine nossa newsletter para receber os novos posts em primeira mão. 

Victor Baptista

Fundador do Marketagem
Scroll to top
Abrir a conversa
1
Fale com um especialista pelo Whatsapp
Olá! 👋
Caso tenha alguma dúvida, fale com um especialista por aqui!