Telefone:
(21) 3620-8232

Mês: setembro 2019

Afiliados: dá para ganhar dinheiro promovendo produtos dos outros?

Quem não quer ser nômade digital? Trabalhar em home office, sendo seu próprio patrão, ganhando muito dinheiro e ainda tendo tempo para curtir a vida. Na Era Mobile, isso é realmente possível. Tanto que acabou virando o sonho de grande parte dos brasileiros. Mas, é preciso ter cuidado para não se iludir com promessas de altos lucros da noite para o dia. 

Uma das formas de ganhar dinheiro pela internet, que vem sendo amplamente difundida, é o Marketing de Afiliados. O fato de poder aliar trabalho remoto, lifestyle e autonomia tem despertado o interesse de muitas pessoas em produzir conteúdo para divulgar produtos ou serviços de terceiros.

Mas, será que dá para ficar rico com comissões de vendas online? Lendo este post do Marketagem, você vai ficar sabendo o que são os afiliados, como funcionam os programas e algumas dicas sobre o que você precisa aprender caso decida que isso é realmente para você.  

O que é Afiliado

Mais conhecido como Programa de Afiliados, esse tipo de Marketing Online é tipo uma venda consignada no mundo offline. Só que você trabalha em casa ao invés de sair por aí batendo de porta em porta para tentar vender os produtos. 

Para ser um afiliado, é necessário se inscrever em plataformas específicas para isso. Lá você escolhe os produtos que vai vender online. Mas, vale lembrar que nesse tipo de programa, o recebimento do dinheiro não é por clique, mas por transações realizadas por intermédio seu. Ou seja: é comissão de vendas. 

Para ficar ainda mais claro, vou dar um exemplo offline: vamos supor que você comece a vender óculos de fábrica em consignação. A cada produto vendido, sua comissão está garantida. E aqueles que você não conseguir vender, é só devolver para o fabricante. 

Aparentemente você só tem a ganhar dependendo do seu esforço. Mas, não é bem por aí, porque houve seu investimento de tempo, além dos custos de deslocamento (combustível do veículo ou passagens de transporte público) e alimentação.

Claro que no online não tem gastos de deslocamento. Porém, eles são substituídos por outros como luz e internet (só para citar os mais óbvios). Então, antes de se tornar afiliado, é necessário calcular seu investimento e todo mês colocá-lo na planilha para ver se está valendo mesmo a pena esse tipo de trabalho. 

Como funciona o Marketing de Afiliados na prática

O trabalho não é rápido, simples ou fácil como pode parecer em um primeiro momento. Até porque você terá que investir bastante tempo criando estratégias e táticas para promover produtos de terceiros. Veja os 6 passos para ganhar dinheiro como afiliado:

E acredite: o passo 3 não é dos mais fáceis. Entre uma pessoa clicar no anúncio ou link externo e realizar de fato uma compra, há um grande abismo…. Pergunta só aos donos de e-commerce… 

  • Abandono de carrinho
  • Desistência de preenchimento de cadastro
  • Problemas com pagamento (análise de crédito, boletos que vencem, etc.)
  • Arrependimento de compra 
  • Entre outros

Então por mais que você faça sua parte direitinho (divulgação e convencimento), se a pessoa desistir de comprar por algum motivo, seus esforços terão sido em vão. Lembre-se: afiliado vive de comissão assim como os vendedores consignados offline.  

E quando tudo dá certo? Bom, você não será o primeiro a receber o dinheiro. Primeiro há a confirmação da venda por meio de rastreamento, depois o produtor recebe o pagamento do cliente e por último sua comissão entra na sua conta. Portanto é um retorno incerto e ao longo prazo. 

O que você precisa dominar antes de virar Afiliado

Agora que está ciente sobre os riscos de ser afiliado, caso você resolva trabalhar com esse tipo de Marketing Online, a dica é já ter algumas experiências e conhecimentos prévios para tentar faturar suas comissões de venda. Confira: 

Entender de Marketing Digital 

Se você tem apenas uma noção de como escrever textos persuasivos (Ads ou Copywriter) e sabe divulgar via Facebook, talvez isso não seja suficiente para você conseguir realizar vendas e ganhar suas comissões. 

Isso porque aprender a realizar campanhas de E-mail Marketing com estratégia, criar anúncios online (Google Ads/ Facebook Ads) e até mesmo entender de SEO faz toda diferença  para vender pela internet. 

Então uma Mentoria de Marketing Digital pode ajudar. Mas, para isso, você teria que ter um objetivo específico. Por exemplo: eu tenho um blog do nicho x que já tem Y seguidores e quero aprender estratégias de Marketing Digital para aumentar vendas. Dessa forma todas as suas aulas individuais seriam planejadas de acordo com seu objetivo.   

Ser Influencer Digital 

Quando você tem um blog ou canal de Youtube com bastante seguidores reais que são influenciados por seus conteúdos porque você já é autoridade no assunto, as chances de se dar bem como afiliado é muito maior. Isso porque você vai falar ou escrever sobre produtos ou serviços que, de verdade, podem ser uma solução para eles.

Ou seja, os resultados de um afiliado nessa condição, é totalmente diferente de um que tenha criado um canal do Youtube só para ser afiliado ou até mesmo feito uma conta no Instagram com o mesmo intuito. 

Experiência com Redes Sociais é fundamental

Saber criar diferentes estratégias para cada uma das redes sociais que você pretende usar na divulgação dos conteúdos sobre produtos ou serviços é indispensável. Isso porque facilita o engajamento, além de serem canais de comunicação entre você e sua audiência.    

Entender de Mídia Paga pode fazer toda a diferença

Anúncios online dão rápidos resultados. Por esse motivo os Ads não podem ficar de fora das suas estratégias de venda como afiliado. Mas, é necessário que você saiba criar estratégias que funcionam e escolha os canais certos. Afinal, tudo tem que fazer sentido. 

Planejar campanhas de E-mail Marketing 

Ferramenta muito útil para a estreitar relacionamento com a audiência, o E-mail Marketing precisa ser usado de forma estratégica. Não é só escolher uma plataforma e ficar enviando uma promoção atrás do outra para todos os seus contatos (até porque isso é SPAM!). 

Pelo contrário, é necessário planejar uma sequência de mensagens persuasivas com base em campanhas de E-mail Marketing bem segmentadas e que mantenham sempre o diálogo. Já as ofertas irrecusáveis precisam ser disparadas na hora certa.

Quando vale a pena ser afiliado

Construiu uma ampla base de dados com leads não comprados relacionados aos nichos que você pretende vender produtos online? Então pode ser que se tornar afiliado traga resultado.

  • Quando é uma das formas de monetizar seu blog ou canal de Youtube 
  • Quando você tem ampla base de contatos reais (potenciais clientes/ leads)
  • Quando você já é um influencer digital bem conhecido no seu nicho

Como ser um afiliado

Bom, existem várias Redes de Afiliados no Brasil como, por exemplo, Hotmart e Lomadee. A minha dica é: antes de realizar sua inscrição para promover produtos na internet, se informe muito sobre o assunto.

Leia atentamente as perguntas e respostas (FAC) e, se for isso mesmo que você quer, é importante escolher os produtos ou serviços que realmente tenham a ver com sua audiência e principalmente que sejam de sua confiança.

Conclusão 

Ser afiliado pode até ser uma das suas fontes de renda trabalhando como freelancer em casa. Mas, é preciso ter em mente que – não há fórmulas mágicas para ficar rico da noite para o dia – e que esse trabalho em especial é algo com resultado ao médio ou longo prazo.

Isso porque você irá concentrar seus esforços na divulgação de produtos de terceiros e também terá que convencer os internautas que fazem parte de um target nichado que as soluções são para eles.  

Além disso, tenha em mente que as comissões das suas vendas online não são resultados imediatos (e ainda dependem de fatores externos que você não tem domínio por mais que seja a persuasão em pessoa). 

Portanto minha dica é: diversifique suas formas de ganhar dinheiro porque os  lucros não são garantidos e previsíveis. Mas, se você está decidido a se tornar um afiliado, então minha dica é: não deixe de aprender Marketing Digital porque para alavancar vendas online requer estratégias que não existem no offline. 

Daniel Arend

Co-fundador do Marketagem

CEO, CFO, CTO: Entenda o que significa cada sigla e confira algumas dicas para chegar ao C-Level

Saber até onde você pode chegar é fundamental para planejar uma carreira de sucesso. E no Marketing Digital não é diferente. Por isso eu preparei esse post, que mais do que ensinar o que significa as principais siglas do C-Level, traz algumas dicas de como se preparar para conquistar sua vaga lá um dia. 

Cargos de direção podem parecer inatingíveis quando se está em início de carreira. Mas, se você começar a ter estratégia, determinação, paciência e correr atrás de desenvolver competências fundamentais é possível se preparar para exercer cargos executivos importantes em empresas como CEO, CMO, CIO, CTO, entre outros. Confira nosso post: 

CEO: significado da sigla e o que é  

Chief Executive Officer é o que significa essas 3 poderosas letrinhas. Ou seja, o CEO equivale ao diretor-geral de uma empresa ou ao presidente-executivo porque é a mais alta posição da hierarquia operacional da organização. Mas, vale lembrar que em grandes empresas, ele normalmente precisa se reportar ao Conselho Administrativo ou acionistas. 

Esse cargo de diretor-executivo é o mais famoso porque é comum ver matérias na imprensa com o CEO dando respostas em nome da empresa ou até mesmo em entrevistas com eles em sites e revistas de negócios. Por isso que você provavelmente lembrou logo de Mark Zuckerberg ou dos presidentes das marcas que mais gosta quando leu a palavra CEO neste post. 

C-Level 

Também conhecido como C-Suite, o termo C-Level se refere ao conjunto de cargos de diretores executivos de uma empresa principalmente em startups. Em português, C-Level pode ser traduzido literalmente como Nível C. 

E ganhou esse nome porque todos os cargos executivos começam com Chief e terminam com Officer (o que muda é a função principal que fica no meio como Marketing, Communication, Information ,Technology, etc;).   

Chief Officer: siglas e significados dos principais cargos

Na lista abaixo, você encontra alguns exemplos com foco nos que mais têm a ver com Marketing Digital. Mas, a lista completa é bem extensa e tende a aumentar com novas adaptações sendo feitas como é o caso de CSO que o significado você encontra abaixo: 

C-level

  • CMO: Chief Marketing Officer
  • CCO: Chief Communication Officer
  • CIO: Chief Information Officer
  • CTO: Chief Technology Officer
  • COO: Chief Operation Officer
  • CSO: Chief SEO Officer
  • CFO: Chief Financial Officer

Dicas para quem quer se tornar diretor executivo (Chief Officer)

Os cargos de CEO, CMO, CIO, CTO, CFO, COO, etc. são o sonho de muita gente. Para conquistá-los, é preciso anos de experiência, conhecimentos sólidos e competências específicas como a boa e velha liderança. Quer transformar sonho em resultado? Então se liga nas dicas abaixo: 

Planeje sua carreira desde cedo

Como você já sabe, os cargos de Chief Officer (C-Level) estão no mais alto escalão das empresas. Então a menos que você funde uma, você terá um grande caminho a percorrer no mercado. 

A boa notícia é que o tempo pode favorecer seus planos. Basta você planejar sua carreira e tomar decisões sábias que conduzam ao resultado desejado: integrar o C-Suite. Então minha dica é fazer isso o quanto antes. 

Comece já nos primeiros períodos da faculdade. Dessa forma você pode antecipar as matérias que agregam mais ao seu plano de carreira e consegue se aprofundar nas relevantes com cursos de extensão que colaborem com seu objetivo. 

E lá no 3º período (que normalmente é a exigência mínima das empresas em seleções de estagiários), é hora de correr atrás de estágios que vão levá-lo onde você quer chegar.  

Acompanhe líderes nas redes sociais para aprender e se inspirar 

Se você quer ser CEO daqui há 10 anos, a minha dica é observar o que os executivos C-Suite da empresa que você gostaria de trabalhar estão fazendo hoje. 

Também funciona seguir líderes no LinkedIn porque, além de você ver os passos que eles deram na carreira antes de chegar ao C-Level, é possível aprender com quem sabe, adquirir conhecimentos e ainda ganhar uma boa dose de inspiração e motivação para você seguir sua jornada.

Acompanhar canais no Youtube e outras redes sociais da empresa que pretende trabalhar também é fundamental. 

Desenvolva sua liderança

Ter vasta experiência como líder é requisito para ser CMO, CIO ou qualquer outro tipo de diretor executivo. Mas, não espere se tornar coordenador para desenvolver essa competência. 

Existem muitas formas de colocar em prática sua liderança até mesmo na sua vida pessoal (até porque líder não é sinônimo de chefe). Quando você luta por uma causa, por exemplo, e toma a iniciativa de coordenar e motivar equipes de pessoas que colaboram com ela, você já está exercendo sua liderança. 

Mas, não é só no trabalho voluntário que é possível fazer isso. Basta identificá-las e colocá-las em prática na sua vida ou carreira.   

Reúna experiências e competências necessárias para o C-Suite

O mercado exige determinadas formações acadêmicas. Dos diretores executivos do C-Level, por exemplo, são cobrados:

  • Formação superior compatível com o cargo
  • MBA em área relevante
  • No mínimo 5 anos de experiência em função de liderança
  • Entender tudo sobre o negócio da empresa
  • Habilidades de negociação, comunicação, estratégia, gestão de pessoas, projetos e processos 
  • Skills específicos de cada cargo  

Prepare-se para a vaga específica de diretor executivo que você quer

Por exemplo: quer ser CMO? Uma dica importante para ficar mais fácil conseguir desenvolver as competências necessárias e ter o perfil desse diretor executivo é ficar de olho nas vagas que são publicadas em sites de emprego ou da organização que você quer trabalhar. E se possível faça uma mentoria na área para receber orientações de quem já chegou lá.  

Converse com empreendedores e C-Level executives quando tiver oportunidade

Antigamente fazer isso era quase impossível se você não fosse da imprensa ou do alto escalão da empresa deles. Mas, hoje em dia, dá perfeitamente.

Isso porque CEOs de startups, por exemplo, costumam estar sempre abertos a conversas em webinars, no LinkedIn e até em eventos de Marketing Digital, entre outros. 

Muitos CMOs estão conversando com você por e-mail e criam inclusive um canal para responder dúvidas. Então aproveite para fazer perguntas relevantes sobre carreira, negócios, entre outros questionamentos que possam agregar a sua vida profissional.

Conclusão

Ocupar a posição de CEO, CMO, CIO ou qualquer outro cargo de diretor executivo não precisa ser um sonho impossível. 

Se você se planejar, seguir passo a passo, estiver aberto ao aprendizado e, claro, correr atrás de desenvolver as competências necessárias com foco, determinação e paciência, é possível chegar ao C-Level sim! Ou até mesmo virar um empreendedor. 

Quer saber mais sobre o mercado de Marketing Digital para planejar bem sua carreira, além de aprender sobre o tema? Então continue acompanhando nosso blog! 

Daniel Arend

Co-fundador do Marketagem

5 dicas de livros sobre Gestão de Projetos

Para conseguir crescer e desenvolver produtos ou serviços com excelência, as empresas precisam de métodos eficazes de gerenciamento de projetos. 

Dessa forma conseguem atingir os resultados desejados de forma eficaz.

Ao longo da história, as organizações foram desenvolvendo diferentes metodologias para gerenciar seus projetos de maneira mais efetiva e produtiva. 

Na Intel, por exemplo, foram criados os OKRs que são usados no Google até hoje.

Nós aqui do Marketagem também usamos metodologias ágeis como essa.

Mas, vale lembrar que em indústrias, por exemplo, os métodos mais tradicionais ainda são muito valorizados. 

Vai se preparar para tirar a certificação CSM ou PMP? Ou quer apenas aprender mais sobre gerenciamento?

Então se liga nesses livros de Gestão de Projetos fundamentais para quem quer entender do assunto. Confira:  

3 livros sobre Metodologias Ágeis

De acordo com o Project Management Institute (PMI), a definição de metodologia é: sistema de técnicas, regras, práticas e procedimentos que profissionais utilizam em suas rotinas de trabalho. 

Seguindo essa linha de raciocínio, quando esse sistema é focado em agilidade e eficiência para aumentar a produtividade sem perder a excelência, ele é chamado de metodologia ágil.

Scrum e OKRs são alguns exemplos de métodos inovadores de gestão de projetos muito utilizados em startups e empresas de tecnologia. 

Confira alguns livros sobre o tema que estudantes de Marketing Digital devem ler caso estejam se preparando para trabalhar em uma empresa que adota metodologias ágeis:    

Avalie o que importa: Como o Google, Bono Vox e a Fundação Gates sacudiram o mundo com os OKRs

Uma das metodologias ágeis muito usadas em empresas de todo o mundo, o Objectives and Key Results (OKRs) foi inventado por Andrew Grove, na década de 70, e validado lá na Intel onde ele liderava a operação na época.

Mas, foi no Google, cerca de 20 anos depois, que os OKRs ganharam fama mundial.

E John Doerr, no livro Avalie o que importa, conta como a metodologia ágil ajudou a startup californiana a crescer e se tornar o maior buscador do planeta, além de marca referência em seu segmento.

O best-seller, que tem como título original Measure What Matters: How Google, Bono, and the Gates Foundation Rock the World with OKRs, foi lançado este ano (em janeiro de 2019) e saiu em português pela Editora Alta Books.  

O que se aprende com o livro sobre OKRs de John Doerr

A obra conta tudo que quem pretende trabalhar com Marketing Digital em empresas que adotam a metodologia inovadora deve saber.

E também tudo que empresários precisam entender sobre OKRs para implementá-lo em seu negócio.   

  • O que são OKRs
  • Cases: Google, Adobe e de outras empresas
  • Gerenciamento contínuo de desempenho com OKRs
  • Como a cultura da empresa muda com o uso da metodologia ágil
  • Entre outros temas 

Scrum: a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo

Lançado em 2014, com o título original Scrum: The art of doing twice of the work in half the time, o livro foi escrito por Jeff Sutherland.

Ele é ninguém menos do que o co-criador dessa mundialmente famosa metodologia ágil.

Recomendado para quem pretende conquistar o certificado CSM da Scrum Alliance, a obra também tem versão em português.

Ela foi lançada pela Editora Sextante e pode ser encontrada em livro, e-book ou audiobook. 

O livro Scrum também é fundamental para quem quer entender de fato como funciona essa metodologia ágil e até mesmo aplicá-la.

O que você aprende no livro sobre Scrum de Jeff Sutherland

  • Origem da metodologia 
  • Cases como o do FBI
  • Gestão do Tempo
  • Gestão de Equipe
  • Prioridades
  • O que é Scrum Master e Product Owner
  • Como começar a implementar o Scrum

Sprint: o método usado no Google para testar e aplicar novas ideias em apenas cinco dias

Método inovador e ágil criado pelo designer Jake Knapp e validado no Google, o Sprint é hoje usado por inúmeras empresas mundo afora.

De pequenas startups a grandes multinacionais. 

No livro Sprint, o autor  (que também é  criador do método) explica como o colocar em prática por meio de histórias interessantes de pessoas e situações cotidianas que ocorrem na maioria das empresas.

A publicação, que tem o título original Sprint: how to solve big problems and test new ideas in just five days, foi lançada em 2016.

Mas, também está disponível em português porque saiu pela Editora Intrínseca. 

O que você aprende lendo o livro sobre Sprint de Jake Knapp

É possível entender bem o que é Sprint e como implementá-lo em uma leitura leve e didática.

O próprio sumário já mostra a ideia geral dele por ser dividido em segunda a sexta simbolizando o cronograma de 5 dias sendo que os capítulos representam as tarefas que devem ser planejadas e executadas pelo gestor. 

Além disso, a primeira parte do livro intitulada “Preparando o terreno” fala sobre desafios, equipes, tempo e espaço

Quer saber mais sobre metodologias ágeis? Minha dica é dar uma lida  no nosso post Como utilizar OKRs e Scrum para aumentar a produtividade.

Nele eu explico o que é cada um e suas principais características. 

Livros para se preparar para a Certificação PMP

Para quem quer aprender conceitos e práticas clássicas de Gestão de Projetos, a minha dica de leitura são as publicações de instituições que são referências mundialmente como o Project Management Institute (PMI) e a American Management Association (AMA).

Confira 2 livros fundamentais que estão em português:

Guia PMBOK 

Em sua 6ª edição, lançada em 2018, A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide – título original), é um livro considerado indispensável para quem quer conquistar a certificação PMP e/ou trabalhar como Gestor de Projetos. 

Essa versão mais atual traz novidades como um enfoque no mundo dos negócios e preparação do profissional para o mercado.

Além de incluir abordagens para ambientes ágeis, Iterativos e adaptativos que estão presentes em cada área de conhecimento da obra para explicar como práticas tradicionais e modernas podem ser integradas na gestão de projetos. 

A publicação, que tem versões em português com o título “Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos” pode ser encontrada em livro ou e-book. 

O que você aprende no PMBOK Guide 

  • Código de Ética e Conduta Profissional
  • O papel do gestor
  • Ciclo de vida e desenvolvimento
  • Processos de Gestão de Projetos
  • Documentos do negócio
  • Gerenciamento de Integração do Projeto
  • Entre muitos outros conhecimentos fundamentais

Por que essa obra é tão importante? 

Como reúne as melhores práticas para profissionais de gerenciamento de projetos escritas pelo PMI, que é a maior associação sem fins lucrativos para gestores de projetos do mundo, se tornou referência no mercado. 

E para conseguir tirar o PMP (que é o certificado internacional mais importante para gerentes de projeto), é necessário passar no exame da instituição. 

Além disso, com os conhecimentos adquiridos lendo a obra, as empresas conseguem criar suas próprias metodologias, regras, políticas, ferramentas, etc.

E até mesmo gerenciar projetos com ciclos de vida personalizados. Isso segundo o próprio PMI.

AMA: Manual de Gerenciamento de Projetos

Um dos livros mais tradicionais da área, AMA Handbook of Project Management (título original) é leitura recomendada para quem quer ser Gerente de Projetos.

Escrita pelo expert Paul C. Dinsmore, a obra reúne orientações e experiências profissionais da Associação Americana de Gestão (que é a tradução em português da sigla AMA).

O que a torna bem completa já que reúne teoria, prática e ainda tem um capítulo sobre preparação para a Certificação PMP (Profissional de Gerenciamento de Projetos).

Vale lembrar que esse Manual de Gerenciamento de Projetos já foi premiado como livro do ano pela PMI que é a instituição americana que oferece a certificação PMP.

Publicação tem versão em português

Lançado em 1993, a publicação que tem Jeannette Cabanis-Brewin como co-autora, ganhou atualizações ao longo dos anos.

Hoje pode ser encontrada em nosso idioma tanto em e-book quanto em livro físico.

Em 2014, a editora Brasport publicou também a 2ª edição do livro que é compatível com a edição do Guia PMBOK®.

O que você aprende no livro de Gestão de Projetos da AMA

  • Estratégias e planejamentos 
  • Gestão de Escopo 
  • Gestão de Recursos Humanos
  • Gestão de Crise 
  • Gestão de Tempo
  • Gestão de Custos
  • Carreiras em Gerenciamento de Projetos
  • Preparação para PMP

Quer saber mais sobre Gestão de Projetos? Deixe sua dúvida ou sugestão de conteúdo nos comentários abaixo.   

Scroll to top