Conheça as competências que precisaremos aprimorar até 2020

competências que precisaremos aprimorar

Uma pesquisa realizada recentemente descobriu que 52% dos jovens brasileiros com 30 anos estão hoje trabalhando no que não gostam, trabalham para sobreviver e estão frustrados com a falta de perspectivas profissionais.

Para Dennis Giacometti, o coordenador do estudo, as possíveis causas para esta realidade são o baixo estímulo à critica durante o período escolar e escolhas vocacionais equivocadas. Há, acredita o estudioso, falta de autoconhecimento, falta de conexão consigo mesmo, o que vai muito contra o alto poder de conectividade experimentado por todos hoje. Também a falta de planejamento na carreira resulta em decepções e frustrações profissionais.

Pensando nisso, resolvemos juntar alguns conselhos dos maiores especialistas em carreira profissional, para que você, que está neste momento estudando e se preparando para o mercado de trabalho não chegue aos trinta vivendo este mesmo dilema.

7 competências essenciais para chegar a 2020 feliz com sua carreira

As dicas são oriundas do Fórum Econômico Mundial e foram publicadas recentemente. Elas estão, segundo os cientistas, de acordo com a chamada Quarta Revolução Industrial, que é impulsionada pela tecnologia digital e por um novo movimento econômico e social em todo o globo. Acompanhe!

1. Aprenda a resolver problemas complexos

Cada vez mais, será demandado dos profissionais a resolução rápida e eficiente de problemas complexos. De acordo com o relatório do FEM, nos próximos quatro anos, 36% das atividades de quaisquer área do conhecimento deverão exigir habilidades para resolver a complexidade operacional e intelectual no ambiente de trabalho.

Nossa dica é: estimule seu cérebro a pensar de uma forma mais racional no ambiente de trabalho, desenvolva sua visão lógica e busque desenvolver suas atividades da maneira mais pragmática possível. Assim você estará se auto-treinando para ser um resolvedor de problemas e terá um diferencial competitivo muito desejado pelos empregadores.

2. Estimule o pensamento crítico

Quem está chegando agora à universidade é uma geração que viveu mais de uma década de estabilidade econômica no Brasil. Você já reparou na quantidade de coisas que teve acesso e que seus pais não tiveram durante sua adolescência?

Pois é, é normal que você faça parte de uma geração que não precise criticar muito as coisas, afinal tudo esteve dentro dos conformes até aqui. Acontece que o mundo está em ebulição, o mercado está cada vez mais competitivo e globalizado. O Fórum Econômico Mundial alerta que pessoas com pensamento crítico, com habilidades para encontrar soluções alternativas, exigir qualidade e identificar forças e fraquezas terão muito mais sucesso nos próximos anos.

3. Seja criativo

A criatividade sempre esteve no topo das exigências do mercado de trabalho. Acontece que agora ela deixou de fazer parte do discurso, quem não for criativo tende a ficar como coadjuvante no mercado de trabalho e na vida.

E isso acontece porque as mudanças estão cada vez mais rápidas, a acessibilidade à informação e a ferramentas para colocar ideias em prática estão cada vez maiores. Logo, quem for mais criativo, quem surpreender continuará se destacando perante os demais.

4. Aprenda a lidar com pessoas

Sociabilidade e liderança. Estas são duas palavras-chave muito importantes para os profissionais dos próximos anos. De acordo com o relatório do Fórum Mundial Econômico, quem conseguir desenvolver boas relações, motivar pessoas e identificar talentos será muito valorizado, pois a capacidade de liderança está cada vez mais escassa por conta do boom tecnológico existente. E isso vale tanto para quem quer seguir uma carreira de gestão quanto para quem quer empreender, mas também para quem quer apenas gerar bons negócios e firmar parcerias de sucesso.

5. Seja um bom negociador

Desde que o mundo é mundo, negociar bem é uma habilidade fundamental. O estudo do FEM, contudo, aponta que ser capaz de convencer e conciliar interesses será uma habilidade ainda mais demandada daqui para frente.

E, nós sabemos, para ser um bom negociador é preciso se comunicar bem, saber ouvir, ter empatia, inteligência emocional, enfim, saber lidar com pessoas e ter poder de persuasão.

6. Desenvolva sua flexibilidade cognitiva

Facilidade para desenvolver ou usar diferentes conjuntos de regras para combinar as coisas de diferentes maneiras. Isso é, em síntese, a flexibilidade cognitiva. De acordo com o estudo, os segmentos que mais exigirão esta habilidade dos profissionais nos próximos anos são os de bens de consumo, comunicação e tecnologia da informação (TI).

7. Busque ter orientação para servir

Está aí um outro desafio para quem está neste momento na universidade: orientação para servir. Como o individualismo foi muito estimulado nas últimas décadas, quebrar este paradigma está cada vez mais difícil, é por isso que os especialistas apontam que esta será uma habilidade muito bem-vinda para quem quer obter sucesso profissional.

E a orientação para servir nada mais é do que a capacidade e a boa vontade de ajudar os outros. É o bom e velho trabalho em equipe, que exige muita empatia e desejo genuíno de colaborar.

O que você achou destas habilidades? Quais delas acredita que precisará se esforçar para desenvolver ou aprimorar? Entre na conversa com a gente. Adoraríamos ouvir a sua opinião!

Sobre o Autor

Formado em Publicidade e com MBA em Gestão de Projeto. Possui sólida experiência em Marketing Digital e é especialista em SEO. Além disso é co-fundador da Search Lab e fundador do Marketagem.

Deixe um comentário 0 comentários